Escolhendo os destinos da viagem

Para onde ir? Por qual rota começar a nossa jornada? Quanto tempo passar em cada lugar? Será que o Ben vai se adaptar numa boa? Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas! Se até os viajantes mais frequentes enfrentam algumas incertezas de vez em quando, imagina para uma mãe que está viajando sozinha com uma criança. Podemos (e devemos!) pensar na parte boa da viagem, mas é preciso também levar em consideração a nossa segurança e o bem-estar do pequeno, daí a necessidade de comprometimento e responsabilidade ao eleger pelo menos os primeiros destinos.

Foram meses de planejamento, ideias de roteiros, avaliações de clima para levar roupas leves em uma mochila de 60 litros para duas pessoas. Só de pesquisa já deu para fazer algumas viagens de volta ao mundo. Estudamos juntos cada destino para saber como é o clima, a cultura local e se o lugar tem atrações interessantes para a idade do Ben (principalmente parques de diversões, que ele adora!), mas chega um momento em que a gente precisa seguir a nossa intuição e parar de procurar por novas alternativas. É quando entra a atitude!

A nossa ideia inicial era conhecer todos os continentes nessa trajetória. Eu e o Benício nos entusiasmamos e começamos a pesquisar alguns países na Ásia e na Oceania – eu queria incluir a Tailândia no roteiro, o Ben queria conhecer a Austrália e a Nova Zelândia. O problema é que essa “parte do mundo” ficaria para o final da viagem, então imagina o cansaço, depois de meses viajando e com o corpo já debilitado pelas mudanças de clima e fuso, ainda ter que encarar um voo de 30 horas para chegar em casa! Não, obrigada. Optamos por deixar essa rota para o futuro.

Avaliando todos os itens descritos, decidimos por onde iniciaríamos esse período sabático: um lugar mais perto e com mais opções de voos, optamos pelos Estados Unidos. Pesquisamos as passagens para Miami com a intenção de esticar a nossa rota dentro das terras do Tio Sam para outros estados. E aí, numa daquelas reviravoltas de planejamento, descobrimos que entrar pelo México ficaria mais barato ainda. Dá para imaginar a nossa felicidade diante do “sacrifício” de ter que curtir Cancun, Playa del Carmen e redondezas antes de adentrar em solo norte-americano? Passagens compradas e início do roteiro definido: México, aí vamos nós. Arriba!

Depois de viajar pelos EUA, também estamos planejando ir ao Canadá, mas essa parte ainda está em aberto. Tudo vai depender da questão da liberação da entrada no país pelos portadores do visto americano, que parece iniciar em 1º de maio de 2017. Serão dois meses e meio de viagem, de verão a inverno no caminho, quando finalmente entraremos na Europa pela Islândia – outro destino que partiu do interesse do Benício (e que só muito tempo depois eu descobri que ele queria dizer Irlanda), –  faremos uma parada estratégica em Londres antes de dar uma pausa para descansar na Suíça, onde o meu marido mora e que servirá de base para mochilas mais leves e viagens mais curtas pelos países vizinhos.

Mas a Suíça não é o nosso destino final. Ainda tem muito chão – terra, mar e céu – pela frente. Acompanhem nossas aventuras!

 

Autor: Rafaela Pinheiro

Descobriu que é hora de levantar vôo, e agora carrega seu maior Ben nos braços, dando asas à felicidade rumo a viagens inesquecíveis mundo afora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *