Menos expectativa, mais ação

A parte mais difícil dos meus últimos dias tem sido deitar a cabeça no travesseiro e dormir. Não consigo me desligar, mas sei que não é insônia.

Minha mente parece um carrossel maluco cheio de pensamentos e ideias, mas fico estagnada sem saber por onde começar. Essa noite decidi pegar um caderno e caneta para escrever sobre o que estava matutando. Foi quando lembrei do início dos meus planos em viajar com meu filho pelo Mundo.

Benício e mamãe em uma parceria cheia de esperanças

Eu tinha uma expectativa absurda com esse período sabático. Me planejei de forma “administrativa” e acabei deixando a intuição de lado. E foi a partir dessa “falha” que o caminho muitas vezes foi tortuoso. Sim, eu fechei os olhos para meu sexto sentido e muitas vezes deixei o medo ser meu guia. Até mesmo à intuição do meu filho, meu fiel parceiro de viagem nessa aventura, eu não dei ouvidos: “Ele é só uma criança “, eu pensava, e hoje percebo que o Universo me mostrou muitos caminhos através dele, e eu esperei respostas da vida por outras maneiras. E as tive, não tão carinhosas como as que vieram do BEN.

Compreendi ali o quanto nos tornamos responsáveis pela expectativa que cultivamos.

Descobrindo um Mundo de aprendizados com ele

Em diversos momentos eu investi minhas decisões pautada em vivências de outros viajantes pelo Mundo, sem me dar conta de que só eu poderia escrever a história que eu e meu filho estávamos vivendo, que ninguém nunca esteve naquele dia, hora e local, além de nós, sendo nós!

E foi a partir daí que eu comecei a temer a ideia de escrever minhas experiências em um blog ou alguma rede social. Eu travei! Não queria ser o exemplo de acerto ou erro de alguém.

O primeiro comentário do meu blog (que tiveram apenas dois, até hoje) foi de uma seguidora que se sentiu decepcionada por eu ter prometido falar sobre meu planejamento e vivências durante um período viajando o Mundo sozinha com meu filho e, percebeu que eu tive muitas dificuldades e estava me questionava sobre o por quê de eu ter iniciado essa jornada. Me disse que decidiu, em razão da MINHA EXPERIÊNCIA, que o sonho dela deveria ficar adormecido, pois “não era fácil “. (Quem disse que seria, não é mesmo?)

Você é co-responsável pela sua vida. Cocrie a realidade que deseja!

Ao mesmo tempo em que aquilo me fez desmoronar e me trazer a tona um sentimento de culpa, larguei o vitimismo e me tornei mais forte com aquela situação. Eu não desisti. E persisti com muita consciência de que tudo faria sentido um dia. E fez! O que parecia uma fuga ou busca frenética pelo desconhecido, transformou nossas vidas para sempre! Se eu queria me sentir mais livre, não deveria estar me auto pressionando para dar respostas ou mostrar uma falsa realidade nas redes sociais para alimentar com hipocrisia uma  imagem distorcida do que estávamos vivendo. As máscaras já não me caiam mais bem. Eu as havia deixado no Brasil, quando partimos, em 4 de março de 2017.

Uma coisa eu posso dizer com toda a certeza do mundo: o Universo vai sempre conspirar a seu favor se você se abrir para a vida. Quando você se liberta de você mesmo, das suas próprias amarras, “pré-conceitos”, falsas limitações e medo, tudo flui.

Não, não será tudo rosas. Mas rosas têm espinhos e isso não as deixa menos belas ou mais fracas. Os espinhos tem função essencial em sua existência, assim como um caminho com lombadas, curvas e buracos, também fará na nossa, na sua.

Equilíbrio entre corpo e mente: o amadurecimento na jornada é notável!

A vida segue em frente. Sim, ENFRENTE!!!
Enfrente seus medos e dúvidas. Aliás, a dúvida é saudável até certo ponto. Que bom ter opções, mas lembre de se deixar guiar pelo coração! A razão é traiçoeira, mas é ao mesmo tempo necessária para equilibrar a vida.

Recorde -se de onde veio, quem você é, ou quem você deixou de ser quando cresceu. Cuidado com o que fará com o que fizeram com você. Perdoe. A si mesmo e ao que a vida lhe proporcionou. Um dia, como eu disse, tudo fará sentido.

Sonhe, idealize e principalmente, realize. Quantas vezes quiser e do tamanho que desejar! Queira o horizonte, mesmo que alguém já tinha ido lá – ou não. Se vai dar certo ou não, é outro assunto. E se não der, recomece novamente.

Erros e acertos são degraus de crescimento para cada história de vida e moldam quem você é.

Todos nós precisamos de espaço e um momento a sós.

Não se entregue ao comodismo, saia já dá sua zona de conforto e assuma as rédeas da sua própria realidade.

O mundo não precisa acreditar em você. Você se basta! Use isso para fazer o bem, a você e ao seu redor. Se é para inspirar alguém, que seja através da sua garra, atitude e força. Ou até da sua fraqueza. Não se esconda a partir de uma decepção, tristeza ou medo, e lembre-se que você pode chorar, e então aproveite para que essas lágrimas reguem suas raízes, para que assim você floresça ainda mais vigorosa (o)!

Mantenha o comando da sua vida, mas deixa ela te surpreender. O tempo está aí batendo a sua porta e tudo que você precisa fazer é convidá -lo para entrar e recebê -lo com coragem e amor.

Não são só as portas que se abrem… esteja atento aos sinais!!!

Grande abraço com todo o meu carinho e gratidão!!!

Projeto Viagens do Ben

Algumas coisas na vida fazem o nosso coração vibrar com mais força, fazem os nossos olhos brilharem de emoção com a mesma facilidade que piscam, enchem o corpo daquela sensação gostosa de “borboletinhas no estômago”. Nem sempre elas estão à nossa mão, por isso é preciso correr atrás para transformá-las em realidade. A essas coisas damos o nome de sonhos.

Os sonhos não podem ser vistos como algo distante, intocável e impossível de acontecer. É preciso confiar que aquele desejo genuíno lançado ao universo já está no caminho para ser seu. E, ainda que fique algum tempo adormecido ou engavetado, temos total poder para realizá-lo.

Essa jornada que estamos prestes a começar sempre foi um sonho meu, e a materialização desse desejo não surgiu de uma hora para outra. Foi preciso juntar as economias por algum tempo, fazer um bom planejamento de roteiro, de finanças e de prazos; mas o fator crucial foi a minha crença de que seria possível. Eu queria tanto, mas tanto, que escolhi sentir como se já estivesse acontecendo. E a partir do momento em que passei a acreditar de verdade, as coisas começaram a fluir melhor, o planejamento começou a se ajustar, as sincronicidades começaram a se desenrolar.

Tenho certeza de que esse desejo de conhecer o mundo está no DNA e que o Benício também carrega os genes do viajante inveterado. Quando engravidei, em 2009, pedi aos meus amigos em todas as partes deste planeta que enviassem fotos com o nome do Ben escrito na neve, na areia, numa folha de papel, ou em qualquer canto, para que um dia eu pudesse levar o meu filho para conhecer esses lugares incríveis nas nossas viagens.

Aquela era a minha forma de viajar e seguir sonhando. Me sentia realizada tendo a lembrança de pessoas por lugares fascinantes e suas histórias. Quando batemos o martelo, no ano passado, e tomamos a decisão de colocar a mochila nas costas e o pé no mundo em 2017, recebemos mais uma enxurrada de fotos de pessoas queridas nos convidando para encaixar aqueles destinos fantásticos no nosso roteiro de viagem. São fotos de pessoas em mais de 20 países, e alguns desses destinos já estão em nosso planejamento.

Mais do que mostrar os lugares por onde passaremos, o projeto Viagens do Ben é uma forma de compartilhar o meu ponto de vista como mãe viajando sozinha com o filho e a percepção dele como criança nessa escola da vida. Queremos escrever a nossa própria história em cada um desses lugares, onde deixaremos um pouco de nós e levaremos um tanto de aprendizado. Queremos mostrar também que as infinitas possibilidades estão aí para todos, e com planejamento – e acima de tudo muita vontade – as coisas começam a dar certo.

E quanto aos lugares que ficarão de fora da nossa rota em 2017, não tem problema, entrarão em um novo planejamento. Afinal, ainda temos a vida inteira pela frente!

Conhecendo os viajantes

Uma viagem não começa quando colocamos o pé no mundo, e sim quando a gente se permite sonhar e o planejamento para a concretização desse sonho começa. Olhando por essa perspectiva, o Ben começou a viajar quando ainda estava na minha barriga e tomou gosto pela coisa. Agora queremos ganhar o mundo!

Muito prazer, eu sou a Rafaela. E o Ben – esse carinha incrível que dá nome ao blog – é o meu filho de 7 anos. Juntos, estamos nos preparando para mais uma jornada, que temos certeza de que será engrandecedora para as nossas vidas. Mais do que os laços de sangue que nos unem como mãe e filho, somos uma equipe. Somos um time de desbravadores dispostos a descobrir cada cantinho desse mundo e mergulhar em suas histórias, costumes e culturas.

Sempre desejei tirar um ano sabático para viajar pelo mundo e ver as infinitas faces do planeta em que vivemos. Viajando era a forma que eu me via descobrindo novos cheiros, cores, sabores e verdades. Apesar de viajar bastante antes, durante e depois da gravidez, esse projeto de passar um período mais longo fora ficou escondidinho em um lugar profundo dentro de mim. Foi através do autoconhecimento – uma jornada que definitivamente nunca acaba – que resolvi me munir de coragem e tirar o sonho do papel.

Eu tinha tantas ideias, tantos desejos, tantos sonhos, e não sabia por onde começar. Quando a gente começa a pensar nas nossas ideias e sonhos, o nosso lado racional (e às vezes boicotador) começa a fazer aqueles questionamentos: Será que vai dar certo? E se der errado? E se não for isso o que eu realmente quero? O que a família vai pensar? Quase como em um passe de mágica, eu descobri o que realmente precisava: tomar decisões. E quando damos o primeiro passo para co-criar a realidade que queremos, as coisas começam a fluir.

O nosso planejamento definitivo para essa viagem começou no início de 2016, e é com um friozinho gostoso na barriga – e com o coração cheio de certeza de que vai ser incrível – que agora damos o passo para enfim cair na estrada. Eu e o Ben convidamos você para nos acompanhar nessa aventura. Quem sabe não nos esbarramos mundo afora?!

A decisão de fazer um Sabático

Decidimos realizar esse período sabático em 2017, pois o Benício vai sair da escola (1º ano) final de 2016, e teria que trocar de escola. Pensei em aproveitar essa transição para desengavetar meu sonho, até porque ele ainda é “pequeno” e pode “ganhar” um ano com essas aventuras, ou seja, não vai chegar a perder conteúdos e matéria que sejam um bicho de sete cabeças!

A ideia inicial era comprar material e fazer um homeschooling para a 2ª série, mas como a vida está em constante mudança e adaptação, estamos planejando fixar residência em algum país – possivelmente a Suíça – para ele estar presente na escola.

Já havia estudado sobre as possibilidades de ele retornar e prestar uma prova de avaliação que permite reclassificação de classe no Brasil, caso os estudos fossem entre eu, ele e o Mundo, então de todas as formas, seria possível. É possível!

Quando falei para o Benício da ideia do período sabático, eu queria saber qual sua visão sobre isso – e até entendimento – pois ele será o meu grande pequeno parceiro nessa jornada. E ele adorou!

Conversamos bastante e agora já faz planos comigo, escolhe os destinos que deseja ir, pergunta se cidade X é perto da cidade Y, comprou um mapa mundi ilustrado super bacana e fica mencionando roteiros possível.

Ele disse que quer muito ir para o Egito “comprar um camelo” – animalzinho de estimação peculiar esse. Pergunta como é lá, quer ver fotos na internet. Já está viajando na ideia e fala para todo mundo que vai viajar pelo Mundo.

De vez em quando vem a mãe de algum amiguinho contando as conversas engraçadas que o seu filho falou sobre as histórias do Benício. E ele fala com tanto orgulho, que dá mais alegria em saber que estamos no momento certo!

Viagens do Ben na Legoland de Orlando, EUA.
Viagens do Ben na Legoland de Orlando, EUA.

Em busca de propósito!

Olá pessoal!

Sempre amei viajar: já me aventurei de mochilão por 5 meses na Europa, fiz intercâmbio no Canadá e fiz uma road trip na Califórnia, entre outras idas e vindas. Antes de descobrir que estava grávida, eu estava decidida a largar tudo e ir morar fora. Pois bem: tive que adiar os planos por uma nobre e deliciosa causa – viver a maior aventura das nossas vidas: a maternidade.

Engraçado que, ao escolher um nome para meu filho, eu só pensava em uma tradução pro apelido, de forma que fosse fácil de pronunciar “all around the World”. Não demorou muito para eu chamá-lo de Ben. Mas tinha receio de que no Brasil o nome seria meio estranho, então complementei e batizei-o de Benício. Meu Ben!

Enquanto o tempo passava e ele crescia na minha barriga, eu só pensava em uma coisa: quando ele fosse grande, eu iria levá-lo para experimentar a vida em outros endereços, resgatar meus desejos mais genuínos de explorar novas culturas e países. O sonho apenas ficaria adormecido.

Aos quase 7 meses de gestação, Benício viajou (na barriga) para a Suíça
Aos 6 meses de gestação, Benício viajou (na barriga) para a Suíça.

Durante a gestação do Ben, eu tive a ideia de pedir aos meus amigos nos 4 cantos do Mundo, a fazer uma fotografia em um lugar especial, segurando uma folha de papel com o nome do Benício escrito, ou escrever de alguma forma criativa. Eu me imaginava visitando todos esses lugares com ele, quando grandinho. Recebi fotos de vários destinos. Ou seja, a paixão por viajar, em nome do Benício, já passou por locais maravilhosos.

O projeto Viagens do Ben passou por Berlim
O projeto Viagens do Ben passou por Berlim

Agora, sete anos depois, está chegando a hora de realizar esse sonho, de resgatar minha essência e viver tudo que eu sempre quis, junto a ele, que é uma criança curiosa e com sede de desbravar o desconhecido!

Então, é hora de tirar o sonho do status “stand by” e colocar no papel bem detalhadamente, para transformá-lo em uma agradável aventura para 2017 em diante.

Compartilharemos aqui o planejamento, dúvidas, pesquisas, ideias, projetos derivados dessa jornada, mudanças de planos (ou adaptações para planos B, C e D) e experiências vividas!

Serão dois pontos de vista: Mamãe falando para mulheres, solteiras ou não, que queiram percorrer o Mundo (perto ou longe!) com os pequenos, e a visão do Benício, sobre suas vivências, expectativas e ponto de vista.

Iremos reproduzir as fotos que recebemos com nome, estando o Benício no local, e de alguma forma homenageando quem fez aquela imagem, anos atrás! Seja com histórias, nome, recordação… será emocionante!

Vamos juntos curtir as Viagens do Ben, around the World?

Você é o nosso convidado especial!