A escrita como terapia

Há quase dois anos, me vi perdida no caos da minha mente, e sabotando todas as oportunidades e pessoas que me cercavam. Eu parecia viver em meio a uma guerra, sempre preparada para o ataque e para destruir meu inimigo. Por muito tempo, a cegueira me impediu de enxergar quem era meu verdadeiro arqui rival, e eu direcionei essa responsabilidade ao mundo externo. Jamais a mim mesma. E isso me custou uma série de consequências. Perdi minha sanidade mental, minha saúde física, me distanciei de pessoas especiais e criei barreiras emocionais com quem quisesse chegar perto. Ai de quem ultrapasse minhas barreiras… sofria a fúria da minha rigidez.

Não encontrei fotos minhas da época, então vai essa que achei do Benício, possivelmente tendo que me suportar 😀

Por ironia do destino, quando nem eu mesma estava me suportando, fui tomar um café com uma amiga, a Alana. Entre lamúrias, vitimismo e uma chuva de reclamações, ela me disse: você precisa recalcular a sua rota. Eu tenho o curso perfeito para você. Faça e depois conversamos. Ela era minha amiga, estava no comando da 2ª edição do seu Programa Recalculando a Rota, já havia rodado o mundo em busca de respostas e encontrou a si mesma quando se permitiu estar presente e aberta a uma nova realidade, onde estava desperta para o que o universo queria lhe mostrar e oferecer.

Ainda um pouco incrédula, abri a guarda e me inscrevi em seu curso. Entre condicionamentos de pensar que “santo de casa não faz milagres” (por ser uma amiga) e a crença de que curso online algum me faria mudar, resisti às tentações do meu ego e passei por cima do meu orgulho.

Foto de Daniel Luneli, da paradisíaca Praia Brava de Itajaí (SC), onde morávamos antes da mudança pra Suíça.

O curso começou. Já no primeiro momento, parecia que alguém havia girado uma chave no meu campo emocional. Onde eu anteriormente via nebulosidade, havia amorosidade. Onde eu respirava pesado, eu me sentia livre e leve. E a forma com que o curso acontecia, e as pessoas que eu conhecia ali naquele meio virtual, enchiam meu coração de paz, de amor. Eu mesma não conseguia mais reconhecer aqueles estados em que eu me encontrava, mas de uma coisa eu tinha certeza, era mais daquilo que eu queria. Estava com sede de mim mesma. De voltar a ser a Rafaela que eu sempre fui.

Estar presente transforma a vida. Escrever é estar compreender o presente que é viver.

E no decorrer desse processo de autoconhecimento, eu comecei a escrever. Sentia que o ato de colocar no papel alguns do episódios mais intensos, bonitos e conflitantes da minha vida, poderiam trazer mais consciência e entendimento. Eu precisava rever minhas experiências e vivencias com carinho, sem mais sentir aqueles medos e sensações que tive, e sim compreendendo que minha evolução só se deu dessa forma, com a conquista do meu discernimento em fazer escolhas, em seguir adiante e enfrentar qualquer desvio de rota. Os trajetos tortuosos estavam me levando ao caminho onde eu deveria chegar, e eu apenas conseguia enxergar essa preciosidade, colocando minhas emoções no papel. E como minha mente ainda estava agitada, parar para refletir, rever e reescrever minha história, era como uma meditação, uma verdadeira terapia. Dias atrás ouvi alguém comentando sobre aquela famosa posição que se vê em todas as fotos de meditação, onde os dedos se juntam como se fizéssemos a forma da sombra do coelho na parede. E é exatamente assim que seguramos o lápis e a caneta, ou seja, escrever é também uma forma de silenciarmos a mente e nos entregarmos à meditação, ou ao processo criativo. Isso é fantástico! E faz uma diferença absurda na vida!

Com tanta reflexão, cada passagem de episódios da minha vida se tornava revelador. Descobria ali atitudes e transformações riquíssimas que eu jamais havia percebido. Não me limitei às situações que eu julgava como ruins no passado. Eu quis dar uma nova forma de viver aqueles momentos, com leveza e gratidão. A arte de escrever liberta. E você não precisa ser artista para isso. Você precisa ser humano e ter vivido suas próprias experiências.

Benício desbravando com a amiga Ana Júlia. Uma amizade sem fronteiras.

Pode ser que você sofra novamente quando reescrever alguns intensos acontecimentos. Mas confia, a reflexão virá, e junto vem uma oportunidade incrível de perdoar, agradecer, ser solidário e pedir perdão por tudo aquilo que já viveu. Limpar essa má impressão e compreender o quão belo foi poder passar por isso e estar aí, firme e forte, preparado para o que tiver que ser, é uma grande revelação do nosso potencial, uma forma de resignificar o nosso eu interior. Se descobrir por inteiro, em qualquer sentimento.

Para mim, a escrita é uma bela forma terapêutica de que chegar mais próximo da cura emocional, rever os sentidos e os sentimentos. Sem contar que é um resgate da nossa mais tenra essência. A escrita faz parte de todo o desenvolvimento humano. Toda criança que vê um lápis e papel, tem como instinto rabiscar esse papel, mesmo quando não balbucia palavras e nem tampouco sabe o que está fazendo. Mas está intrínseco em nosso DNA.

Eu e ele, na aula de costura, apenas sendo normais!

Tem momentos em que tudo que você precisa é desabafar. Falar com alguém sobre algum pensamento que transita em sua mente. E por que não se abrir com você mesma? Escreva, converse consigo mesma. É uma forma de expressão sem julgamentos. Leia, não se importe com a gramática, e sim com a libertação emocional que esse simples ato irá te proporcionar.
Para mais poder nessa terapia de escrever, eu indico que conheça o Ho`oponopono, uma forma de resignificar recordações dolorosas que possam alimentar desiquilíbrios emocionais, e te trazer de volta para a consciência e gratidão, para uma melhor aceitação.

E chegará um momento em que, ao descrever sua jornada de vida e essa montanha russa de emoções, você descubra uma bela e inspiradora história, que foi e poderia ter escrita única e exclusivamente por você. Celebre. E se sentir vontade, compartilhe com quem te for adequado.

A liberdade está traduzida em milhares de formas, uma delas é de desnudar em palavras para vestir os sentimentos mais genuínos e fortalecedores!

Eu cheguei nesse momento e tenho em mãos uma bela recordação, um livro quase finalizado das passagens mais marcantes da minha existência nessa dimensão, e que em breve pretendo reverberar para as pessoas que me querem bem, e para quem mais desejar.

Falei tudo isso para te dizer: comece já a escrever. Permita-se 5, 10 minutos do seu dia. Esse tempo é só seu. E se quiser compartilhar comigo qualquer percepção sobre esse chamado, estou aqui.

Não sou especialista nem estudiosa desses temas, mas tenho muita vontade em auxiliar no desenvolvimento de lindos trabalhos com histórias reais e de amadurecimento pessoais!

Meu carinho a todos vocês!!!

 

 

Menos expectativa, mais ação

A parte mais difícil dos meus últimos dias tem sido deitar a cabeça no travesseiro e dormir. Não consigo me desligar, mas sei que não é insônia.

Minha mente parece um carrossel maluco cheio de pensamentos e ideias, mas fico estagnada sem saber por onde começar. Essa noite decidi pegar um caderno e caneta para escrever sobre o que estava matutando. Foi quando lembrei do início dos meus planos em viajar com meu filho pelo Mundo.

Benício e mamãe em uma parceria cheia de esperanças

Eu tinha uma expectativa absurda com esse período sabático. Me planejei de forma “administrativa” e acabei deixando a intuição de lado. E foi a partir dessa “falha” que o caminho muitas vezes foi tortuoso. Sim, eu fechei os olhos para meu sexto sentido e muitas vezes deixei o medo ser meu guia. Até mesmo à intuição do meu filho, meu fiel parceiro de viagem nessa aventura, eu não dei ouvidos: “Ele é só uma criança “, eu pensava, e hoje percebo que o Universo me mostrou muitos caminhos através dele, e eu esperei respostas da vida por outras maneiras. E as tive, não tão carinhosas como as que vieram do BEN.

Compreendi ali o quanto nos tornamos responsáveis pela expectativa que cultivamos.

Descobrindo um Mundo de aprendizados com ele

Em diversos momentos eu investi minhas decisões pautada em vivências de outros viajantes pelo Mundo, sem me dar conta de que só eu poderia escrever a história que eu e meu filho estávamos vivendo, que ninguém nunca esteve naquele dia, hora e local, além de nós, sendo nós!

E foi a partir daí que eu comecei a temer a ideia de escrever minhas experiências em um blog ou alguma rede social. Eu travei! Não queria ser o exemplo de acerto ou erro de alguém.

O primeiro comentário do meu blog (que tiveram apenas dois, até hoje) foi de uma seguidora que se sentiu decepcionada por eu ter prometido falar sobre meu planejamento e vivências durante um período viajando o Mundo sozinha com meu filho e, percebeu que eu tive muitas dificuldades e estava me questionava sobre o por quê de eu ter iniciado essa jornada. Me disse que decidiu, em razão da MINHA EXPERIÊNCIA, que o sonho dela deveria ficar adormecido, pois “não era fácil “. (Quem disse que seria, não é mesmo?)

Você é co-responsável pela sua vida. Cocrie a realidade que deseja!

Ao mesmo tempo em que aquilo me fez desmoronar e me trazer a tona um sentimento de culpa, larguei o vitimismo e me tornei mais forte com aquela situação. Eu não desisti. E persisti com muita consciência de que tudo faria sentido um dia. E fez! O que parecia uma fuga ou busca frenética pelo desconhecido, transformou nossas vidas para sempre! Se eu queria me sentir mais livre, não deveria estar me auto pressionando para dar respostas ou mostrar uma falsa realidade nas redes sociais para alimentar com hipocrisia uma  imagem distorcida do que estávamos vivendo. As máscaras já não me caiam mais bem. Eu as havia deixado no Brasil, quando partimos, em 4 de março de 2017.

Uma coisa eu posso dizer com toda a certeza do mundo: o Universo vai sempre conspirar a seu favor se você se abrir para a vida. Quando você se liberta de você mesmo, das suas próprias amarras, “pré-conceitos”, falsas limitações e medo, tudo flui.

Não, não será tudo rosas. Mas rosas têm espinhos e isso não as deixa menos belas ou mais fracas. Os espinhos tem função essencial em sua existência, assim como um caminho com lombadas, curvas e buracos, também fará na nossa, na sua.

Equilíbrio entre corpo e mente: o amadurecimento na jornada é notável!

A vida segue em frente. Sim, ENFRENTE!!!
Enfrente seus medos e dúvidas. Aliás, a dúvida é saudável até certo ponto. Que bom ter opções, mas lembre de se deixar guiar pelo coração! A razão é traiçoeira, mas é ao mesmo tempo necessária para equilibrar a vida.

Recorde -se de onde veio, quem você é, ou quem você deixou de ser quando cresceu. Cuidado com o que fará com o que fizeram com você. Perdoe. A si mesmo e ao que a vida lhe proporcionou. Um dia, como eu disse, tudo fará sentido.

Sonhe, idealize e principalmente, realize. Quantas vezes quiser e do tamanho que desejar! Queira o horizonte, mesmo que alguém já tinha ido lá – ou não. Se vai dar certo ou não, é outro assunto. E se não der, recomece novamente.

Erros e acertos são degraus de crescimento para cada história de vida e moldam quem você é.

Todos nós precisamos de espaço e um momento a sós.

Não se entregue ao comodismo, saia já dá sua zona de conforto e assuma as rédeas da sua própria realidade.

O mundo não precisa acreditar em você. Você se basta! Use isso para fazer o bem, a você e ao seu redor. Se é para inspirar alguém, que seja através da sua garra, atitude e força. Ou até da sua fraqueza. Não se esconda a partir de uma decepção, tristeza ou medo, e lembre-se que você pode chorar, e então aproveite para que essas lágrimas reguem suas raízes, para que assim você floresça ainda mais vigorosa (o)!

Mantenha o comando da sua vida, mas deixa ela te surpreender. O tempo está aí batendo a sua porta e tudo que você precisa fazer é convidá -lo para entrar e recebê -lo com coragem e amor.

Não são só as portas que se abrem… esteja atento aos sinais!!!

Grande abraço com todo o meu carinho e gratidão!!!

Novas experiências, novas sinapses

No Skydeck da Willis Tower, em Chicago. Experiência de alto nível – literalmente!

Uma das coisas que considero extremamente positiva numa viagem é a oportunidade de observar, aprender e vivenciar coisas novas a todo momento. Do ponto de vista puramente turístico, sem a necessidade ou a consciência de transformar a viagem em uma jornada de autoconhecimento, essas novas vivências por si só já são altamente benéficas (quem nunca falou ou ouviu alguém dizer que respirar novos ares revigora o espírito?). Só em estar em um ambiente diferente, vendo outras pessoas, experimentando novos sabores e fazendo coisas que normalmente não fazemos, cria uma atmosfera de positividade, dá aquela sensação gostosa de liberdade. Quando nos permitimos viver esses momentos com consciência e nos abrimos para criar novas sinapses, as experiências se tornam ainda mais intensas.

Mas o que são sinapses?

Nós percebemos a nossa realidade através de valores e crenças que absorvemos ao longo da vida. Temos cerca de 60 a 70 mil pensamentos por dia, mas o nosso cérebro se acomoda aos padrões já aprendidos, uma mente pré-condicionada a pensar e a se comportar de determinada maneira. Em meio a tantos pensamentos, acabamos nos prendendo às mesmas concepções e aos mesmos comportamentos de sempre por puro comodismo do cérebro. Ilustrando de forma simples, é como se os nossos neurônios fossem trabalhadores que executam a mesma tarefa todo santo dia, uma coisa que de tão repetitiva se torna automática. Quando mudamos o nosso padrão de pensamento ou vivenciamos novas experiências, os neurônios despertam e dizem “opa, isso aí é novidade!”, e criam novas conexões com outros neurônios. É esse vínculo que chamamos de sinapses – ou conexões sinápticas.

Quando aprendemos algo novo ou vivenciamos coisas diferentes, estamos realizando novas sinapses, e cada conexão ajuda a ampliar nosso campo de visão e dar novos estímulos ao cérebro. É essencial, no entanto, que a gente continue a exercitar esses estímulos para expandir os pensamentos, que nos levam a novas escolhas, novas experiências e mudanças no comportamento.

Novas sinapses na viagem

Não é preciso viajar para criar novas sinapses, mas só o fato de estarmos em um lugar diferente, absorvendo informações inéditas ao nosso cérebro, já é um grande estímulo. As experiências que o universo nos oferece são ilimitadas, e eu e o Benício temos buscado aproveitá-las ao máximo durante essa jornada.

Um dos novos conhecimentos para os quais o Ben se abriu foi o de manusear uma máquina de costura durante a nossa estadia em Newton (em Massachusetts, nos EUA, pertinho de Boston). De início ele ficou um pouco receoso, dentro daquela crença limitante de que costurar é “coisa de menina”, mas depois a empolgação tomou conta e ele produziu sua própria Póke Ball e uma almofada com a inicial do nome. A experiência foi tão positiva que no mesmo dia, antes de dormir, ele perguntou se poderíamos ter uma máquina de costura em casa para o caso de alguma roupa ou almofada rasgar.

Ainda temos bastante chão pela frente durante essa viagem, e essa perspectiva de novos aprendizados é um dos combustíveis que nos move e nos ajuda a seguir adiante.

Balanço da viagem: 1 mês

Se fosse preciso colocar uma vela para cada emoção vivenciada no nosso primeiro mês de viagem, talvez nem desse para ver direito o bolo. Hoje eu e o Ben comemoramos o primeiro “animesário” – há exatamente um mês deixávamos nossa boa vida, família, amigos, trabalho e rotina no Brasil para iniciar uma jornada de volta ao centro das nossas vidas, um resgate à minha essência adormecida.

Acho que nem eu tinha noção do que me esperava nesse período sabático. Alguma coisa me chamava para isso, mesmo sem eu saber o propósito real dessa experiência. Eu não tinha exatamente um ‘sonho’ de viajar, mas quando estava grávida eu imaginei que em algum momento da minha vida faria essa viagem quando o Benício estivesse maior.

Acredito que tudo o que acontece na vida são respostas que o universo dá aos nossos questionamentos. Sempre estive aberta a receber essas respostas, mas só agora consigo enxergá-las com mais clareza por estar conseguindo fazer as perguntas certas. E o que isso tem a ver com o propósito da viagem? Acho que essa foi a forma do universo me mostrar que eu precisava me redescobrir como mãe.

Apesar de estar quase sempre com o Benício, sinto que falhei na educação dele por deixá-lo um pouco solto. Venho de uma base muito estruturada, meus pais sempre batalharam muito para proporcionar uma boa vida à nossa família. Talvez pela facilidade que eu tive – e abro um adendo para dizer que não culpo os meus pais e, tampouco, estou reclamando – acho que acabei passando esse estilo de vida mais ‘folgado’ para o Ben (do tipo, se ele bagunçava o quarto, tinha uma funcionária em casa para arrumar). Nessa viagem eu percebo como a educação dele deveria ter sido diferente.

O Benício é uma criança boa e inteligente, mas vejo que alguns aspectos da educação dele foram negligenciados por mim. Eu costumava passar o dia no trabalho, enquanto, pela manhã, ele ficava em casa e à tarde ia para a escola. No fim do dia ambos já estávamos tão cansados para brincar e conversar, que aquela interação entre mãe filho era praticamente inexistente. Agora, que não temos outras pessoas da família ao redor e nem funcionários para fazer as coisas por nós, só podemos contar um com o outro. “Precisamos ser melhores amigos, parceiros de verdade”, foi o que falei para ele logo no início dessa jornada. São muitas mudanças e ele está tendo que se virar como gente grande.

De boa em NYC. Celebrando o primeiro mês de viagem na Big Apple.

Dizem que até os sete anos é o momento para educar, formar os valores de uma criança, então acredito que essa jornada tenha vindo em um momento importante para nós – o meu crescimento como mãe e o senso de responsabilidade dele. Estamos juntos 24 horas por dia, e eu imaginei que fosse ser complicado e cansativo, mas eu agora percebo que tudo o que ele quer e precisa é de compreensão em relação aos sentimentos dele. Não são apenas novos lugares que estamos conhecendo, são pessoas, climas, sabores, costumes, perrengues… Tudo isso gera um mix tão grande de emoções, que eu agora me dou conta de que essa viagem é mais uma grande oportunidade de reflexão do que de turismo. 

Me redescobrir como mãe, fazer o Ben entender as responsabilidades e consequências das atitudes dele, estreitar os vínculos entre mãe e filho, compartilhar a vida real para mostrar que nem tudo são flores nessa jornada – talvez o propósito da nossa viagem seja cada uma dessas coisas. O que posso dizer, com absoluta certeza, é que cada passo dado é um novo aprendizado, e todo o amor que sinto pelo meu filho só aumenta a cada dia. Que venham os próximos meses das Viagens do Ben!

Perguntas que não precisam de respostas

Tem sido difícil compreender que algumas perguntas não necessariamente precisam de uma resposta, e que muitas vezes, você pede um sinal do Universo, a Deus, a qualquer força superior que você acredita e ama, e novas perguntas surgem aos seus olhos. Pode ser que à primeira vista elas pareçam casuais, mas se você estiver atento de que os sinais estão em qualquer situação, irá perceber que elas têm muito a te dizer.

Tem sido difícil compreender que algumas perguntas não necessariamente precisam de uma resposta, e que muitas vezes, você pede um sinal do Universo, a Deus, a qualquer força superior que você acredita e ama, e novas perguntas surgem aos seus olhos. Pode ser que à primeira vista elas pareçam casuais, mas se você estiver atento de que os sinais estão em qualquer situação, irá perceber que elas têm muito a te dizer.

Seguindo as últimas 2 postagens sobre questionamentos que te possibilitam refletir, introduzo aqui mais dez perguntas que vão mexer com seus pensamentos e sentimentos:

  1. Você prefere ser um gênio preocupado ou uma pessoa simples e alegre?
  2. Por que você está onde está?
  3. Você é o tipo de amigo que quer como amigo?
  4. O que é pior, quando um bom amigo se afasta, ou perder o contato com um bom amigo que mora bem perto de você?
  5. Qual a coisa pela qual você é mais agradecido na vida?
  6. Você prefere perder todas suas velhas memórias ou nunca ser capaz de fazer novas amizades?
  7. Será que é possível saber a verdade sem desafiá-la primeiro?
  8. Alguma vez o seu maior medo se tornou realidade?
  9. Você se lembra daquela vez cinco anos atrás, quando você estava extremamente chateado? Será que aquilo realmente importa agora?
  10. Qual é a sua memória mais feliz infância? O que a torna tão especial?

Pense nisso. Responda se quiser. Chore se precisar. Mas permita-se digerir essas frases “inocentes” que podem dizer muito sobre você.

Compartilhe com seus amigos. Pode ser que você traga a tão desejada resposta para alguma situação ou momento dessa pessoa.

Novas perguntas para mindset

Às vezes o que a gente mais precisa é um sinal do Universo para reavaliar a vida. E esse toque pode surgir delicadamente, quase que imperceptível, por isso é essencial estar atento ao que acontece ao seu redor.

As respostas que buscamos poderão estar nas entrelinhas, e não escancaradas, a olho nu. Seguindo o post anterior, e para instigar você a mais revelações internas, destaco mais 10 das 50 frases do “50 Questions That Will Free Your Mind”, de Marc and Angel Hack Life.

  1. Você está almoçando com três pessoas que respeita e admira. Todos começam a criticar um amigo íntimo seu não sabendo que é seu amigo. A crítica é de mau gosto e injustificada. O que você faz?
  2. Se você pudesse oferecer a um recém-nascido só um conselho, qual seria
  3. Será que você quebraria a lei para salvar uma pessoa amada?
  4. Você já viu insanidade onde depois viu criatividade?
  5. Pense em algo que você sabe e que você faria diferente da maioria das pessoas?
  6. Como podem as coisas que fazem você feliz não fazerem todos felizes?
  7. Qual a coisa que você não fez e que você realmente quer fazer? O que está prendendo você?
  8. Você está se apegando a algo que precisa deixar de ir?
  9. Se você tivesse que se mudar para um estado ou país além do que você vive no momento, para onde você iria e por quê?
  10. Você aperta o botão do elevador mais de uma vez? Você realmente acredita que isso fará o elevador chegar mais rápido?

    Ufa!!! Quantas vezes aqui você pensou em algo e quis poder responder de outra maneira? Você pode! Essas perguntas são feitas para você refletir e rever sua consciência, julgamentos, autocontrole… para se conhecer!

Convido você para, em breve, ter um novo momento de intimidade com sua verdade e a se aproximar cada vez mais da sua essência.