Farmacinha de viagem

Viajar sozinha ainda pode ser um tabu para muita gente, talvez algo impensável para as mulheres que ainda se prendem às crenças limitantes de que não são capazes de se virar sem uma companhia ou que vibram na crença de que algo de ruim pode acontecer. Se para viajar sozinhas colocam tantos empecilhos, como poderiam cogitar a … Continue lendo “Farmacinha de viagem”

Viajar sozinha ainda pode ser um tabu para muita gente, talvez algo impensável para as mulheres que ainda se prendem às crenças limitantes de que não são capazes de se virar sem uma companhia ou que vibram na crença de que algo de ruim pode acontecer. Se para viajar sozinhas colocam tantos empecilhos, como poderiam cogitar a possibilidade de viajar apenas na companhia de um filho pequeno? A primeira mudança é acreditar que você pode, sim!

Eu nunca vibrei nessa energia de não poder fazer algo por ser mulher, por estar grávida ou por ser mãe solo. Pelo contrário, sempre criei expectativas de poder fazer tudo o que fazia antes de ser mãe, só que agora na companhia do meu Ben. Além de viajar quando estava grávida, fiz a primeira viagem com o meu pequeno para outro país quando ele tinha apenas 1 ano e 3 meses.

Na ocasião, o Benício já havia tomado as principais vacinas, mas eu ainda era super neurótica com as coisas dele e levei uma mala gigante, com várias comidinhas e todos os remédios possíveis e imagináveis. Quando a gente vai evoluindo, percebe que as coisas são bem mais fáceis e simples, mas como mãe zelosa, nunca deixo de levar uma farmacinha.

Estamos levando os poucos itens que julgamos essenciais para esse período. Felizmente, o Ben raramente adoece – acredito que por eu ter amamentado por tanto tempo – e o máximo que ele tem no frio é uma bronquiolite. Por precaução, sempre levo o Aerolin (junto com o espaçador), o Alivium (para febre e dores em decorrência da gripe), e alguns outros que vão mais como uma medida cautelosa do que por real necessidade.

Recebemos de alguns viajantes outras dicas de medicamentos a levar, como antialérgico e antibiótico (embora o Benício nunca tenha precisado), além da dica de imunizar o corpo tomando bastante vitamina C algumas semanas antes da viagem.

Vale salientar que não é recomendado comprar remédios aleatoriamente. Os medicamentos que estamos levando e que citamos aqui no post sãos os que costumamos usar sempre e/ou que foram recomendados pelo nosso médico. Como passaremos muito tempo fora, não será possível comprar alguns desses em outros países, portanto achamos prudente levá-los.

Escolhendo os destinos da viagem

Para onde ir? Por qual rota começar a nossa jornada? Quanto tempo passar em cada lugar? Será que o Ben vai se adaptar numa boa? Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas! Se até os viajantes mais frequentes enfrentam algumas incertezas de vez em quando, imagina para uma mãe que está viajando sozinha com uma criança. Podemos … Continue lendo “Escolhendo os destinos da viagem”

Para onde ir? Por qual rota começar a nossa jornada? Quanto tempo passar em cada lugar? Será que o Ben vai se adaptar numa boa? Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas! Se até os viajantes mais frequentes enfrentam algumas incertezas de vez em quando, imagina para uma mãe que está viajando sozinha com uma criança. Podemos (e devemos!) pensar na parte boa da viagem, mas é preciso também levar em consideração a nossa segurança e o bem-estar do pequeno, daí a necessidade de comprometimento e responsabilidade ao eleger pelo menos os primeiros destinos.

Foram meses de planejamento, ideias de roteiros, avaliações de clima para levar roupas leves em uma mochila de 60 litros para duas pessoas. Só de pesquisa já deu para fazer algumas viagens de volta ao mundo. Estudamos juntos cada destino para saber como é o clima, a cultura local e se o lugar tem atrações interessantes para a idade do Ben (principalmente parques de diversões, que ele adora!), mas chega um momento em que a gente precisa seguir a nossa intuição e parar de procurar por novas alternativas. É quando entra a atitude!

A nossa ideia inicial era conhecer todos os continentes nessa trajetória. Eu e o Benício nos entusiasmamos e começamos a pesquisar alguns países na Ásia e na Oceania – eu queria incluir a Tailândia no roteiro, o Ben queria conhecer a Austrália e a Nova Zelândia. O problema é que essa “parte do mundo” ficaria para o final da viagem, então imagina o cansaço, depois de meses viajando e com o corpo já debilitado pelas mudanças de clima e fuso, ainda ter que encarar um voo de 30 horas para chegar em casa! Não, obrigada. Optamos por deixar essa rota para o futuro.

Avaliando todos os itens descritos, decidimos por onde iniciaríamos esse período sabático: um lugar mais perto e com mais opções de voos, optamos pelos Estados Unidos. Pesquisamos as passagens para Miami com a intenção de esticar a nossa rota dentro das terras do Tio Sam para outros estados. E aí, numa daquelas reviravoltas de planejamento, descobrimos que entrar pelo México ficaria mais barato ainda. Dá para imaginar a nossa felicidade diante do “sacrifício” de ter que curtir Cancun, Playa del Carmen e redondezas antes de adentrar em solo norte-americano? Passagens compradas e início do roteiro definido: México, aí vamos nós. Arriba!

Depois de viajar pelos EUA, também estamos planejando ir ao Canadá, mas essa parte ainda está em aberto. Tudo vai depender da questão da liberação da entrada no país pelos portadores do visto americano, que parece iniciar em 1º de maio de 2017. Serão dois meses e meio de viagem, de verão a inverno no caminho, quando finalmente entraremos na Europa pela Islândia – outro destino que partiu do interesse do Benício (e que só muito tempo depois eu descobri que ele queria dizer Irlanda), –  faremos uma parada estratégica em Londres antes de dar uma pausa para descansar na Suíça, onde o meu marido mora e que servirá de base para mochilas mais leves e viagens mais curtas pelos países vizinhos.

Mas a Suíça não é o nosso destino final. Ainda tem muito chão – terra, mar e céu – pela frente. Acompanhem nossas aventuras!

 

Projeto Viagens do Ben

Algumas coisas na vida fazem o nosso coração vibrar com mais força, fazem os nossos olhos brilharem de emoção com a mesma facilidade que piscam, enchem o corpo daquela sensação gostosa de “borboletinhas no estômago”. Nem sempre elas estão à nossa mão, por isso é preciso correr atrás para transformá-las em realidade. A essas coisas damos o … Continue lendo “Projeto Viagens do Ben”

Algumas coisas na vida fazem o nosso coração vibrar com mais força, fazem os nossos olhos brilharem de emoção com a mesma facilidade que piscam, enchem o corpo daquela sensação gostosa de “borboletinhas no estômago”. Nem sempre elas estão à nossa mão, por isso é preciso correr atrás para transformá-las em realidade. A essas coisas damos o nome de sonhos.

Os sonhos não podem ser vistos como algo distante, intocável e impossível de acontecer. É preciso confiar que aquele desejo genuíno lançado ao universo já está no caminho para ser seu. E, ainda que fique algum tempo adormecido ou engavetado, temos total poder para realizá-lo.

Essa jornada que estamos prestes a começar sempre foi um sonho meu, e a materialização desse desejo não surgiu de uma hora para outra. Foi preciso juntar as economias por algum tempo, fazer um bom planejamento de roteiro, de finanças e de prazos; mas o fator crucial foi a minha crença de que seria possível. Eu queria tanto, mas tanto, que escolhi sentir como se já estivesse acontecendo. E a partir do momento em que passei a acreditar de verdade, as coisas começaram a fluir melhor, o planejamento começou a se ajustar, as sincronicidades começaram a se desenrolar.

Tenho certeza de que esse desejo de conhecer o mundo está no DNA e que o Benício também carrega os genes do viajante inveterado. Quando engravidei, em 2009, pedi aos meus amigos em todas as partes deste planeta que enviassem fotos com o nome do Ben escrito na neve, na areia, numa folha de papel, ou em qualquer canto, para que um dia eu pudesse levar o meu filho para conhecer esses lugares incríveis nas nossas viagens.

Aquela era a minha forma de viajar e seguir sonhando. Me sentia realizada tendo a lembrança de pessoas por lugares fascinantes e suas histórias. Quando batemos o martelo, no ano passado, e tomamos a decisão de colocar a mochila nas costas e o pé no mundo em 2017, recebemos mais uma enxurrada de fotos de pessoas queridas nos convidando para encaixar aqueles destinos fantásticos no nosso roteiro de viagem. São fotos de pessoas em mais de 20 países, e alguns desses destinos já estão em nosso planejamento.

Mais do que mostrar os lugares por onde passaremos, o projeto Viagens do Ben é uma forma de compartilhar o meu ponto de vista como mãe viajando sozinha com o filho e a percepção dele como criança nessa escola da vida. Queremos escrever a nossa própria história em cada um desses lugares, onde deixaremos um pouco de nós e levaremos um tanto de aprendizado. Queremos mostrar também que as infinitas possibilidades estão aí para todos, e com planejamento – e acima de tudo muita vontade – as coisas começam a dar certo.

E quanto aos lugares que ficarão de fora da nossa rota em 2017, não tem problema, entrarão em um novo planejamento. Afinal, ainda temos a vida inteira pela frente!

Conhecendo os viajantes

Uma viagem não começa quando colocamos o pé no mundo, e sim quando a gente se permite sonhar e o planejamento para a concretização desse sonho começa. Olhando por essa perspectiva, o Ben começou a viajar quando ainda estava na minha barriga e tomou gosto pela coisa. Agora queremos ganhar o mundo! Muito prazer, eu sou … Continue lendo “Conhecendo os viajantes”

Uma viagem não começa quando colocamos o pé no mundo, e sim quando a gente se permite sonhar e o planejamento para a concretização desse sonho começa. Olhando por essa perspectiva, o Ben começou a viajar quando ainda estava na minha barriga e tomou gosto pela coisa. Agora queremos ganhar o mundo!

Muito prazer, eu sou a Rafaela. E o Ben – esse carinha incrível que dá nome ao blog – é o meu filho de 7 anos. Juntos, estamos nos preparando para mais uma jornada, que temos certeza de que será engrandecedora para as nossas vidas. Mais do que os laços de sangue que nos unem como mãe e filho, somos uma equipe. Somos um time de desbravadores dispostos a descobrir cada cantinho desse mundo e mergulhar em suas histórias, costumes e culturas.

Sempre desejei tirar um ano sabático para viajar pelo mundo e ver as infinitas faces do planeta em que vivemos. Viajando era a forma que eu me via descobrindo novos cheiros, cores, sabores e verdades. Apesar de viajar bastante antes, durante e depois da gravidez, esse projeto de passar um período mais longo fora ficou escondidinho em um lugar profundo dentro de mim. Foi através do autoconhecimento – uma jornada que definitivamente nunca acaba – que resolvi me munir de coragem e tirar o sonho do papel.

Eu tinha tantas ideias, tantos desejos, tantos sonhos, e não sabia por onde começar. Quando a gente começa a pensar nas nossas ideias e sonhos, o nosso lado racional (e às vezes boicotador) começa a fazer aqueles questionamentos: Será que vai dar certo? E se der errado? E se não for isso o que eu realmente quero? O que a família vai pensar? Quase como em um passe de mágica, eu descobri o que realmente precisava: tomar decisões. E quando damos o primeiro passo para co-criar a realidade que queremos, as coisas começam a fluir.

O nosso planejamento definitivo para essa viagem começou no início de 2016, e é com um friozinho gostoso na barriga – e com o coração cheio de certeza de que vai ser incrível – que agora damos o passo para enfim cair na estrada. Eu e o Ben convidamos você para nos acompanhar nessa aventura. Quem sabe não nos esbarramos mundo afora?!

Perguntas que não precisam de respostas

Tem sido difícil compreender que algumas perguntas não necessariamente precisam de uma resposta, e que muitas vezes, você pede um sinal do Universo, a Deus, a qualquer força superior que você acredita e ama, e novas perguntas surgem aos seus olhos. Pode ser que à primeira vista elas pareçam casuais, mas se você estiver atento de que os sinais estão em qualquer situação, irá perceber que elas têm muito a te dizer.

Tem sido difícil compreender que algumas perguntas não necessariamente precisam de uma resposta, e que muitas vezes, você pede um sinal do Universo, a Deus, a qualquer força superior que você acredita e ama, e novas perguntas surgem aos seus olhos. Pode ser que à primeira vista elas pareçam casuais, mas se você estiver atento de que os sinais estão em qualquer situação, irá perceber que elas têm muito a te dizer.

Seguindo as últimas 2 postagens sobre questionamentos que te possibilitam refletir, introduzo aqui mais dez perguntas que vão mexer com seus pensamentos e sentimentos:

  1. Você prefere ser um gênio preocupado ou uma pessoa simples e alegre?
  2. Por que você está onde está?
  3. Você é o tipo de amigo que quer como amigo?
  4. O que é pior, quando um bom amigo se afasta, ou perder o contato com um bom amigo que mora bem perto de você?
  5. Qual a coisa pela qual você é mais agradecido na vida?
  6. Você prefere perder todas suas velhas memórias ou nunca ser capaz de fazer novas amizades?
  7. Será que é possível saber a verdade sem desafiá-la primeiro?
  8. Alguma vez o seu maior medo se tornou realidade?
  9. Você se lembra daquela vez cinco anos atrás, quando você estava extremamente chateado? Será que aquilo realmente importa agora?
  10. Qual é a sua memória mais feliz infância? O que a torna tão especial?

Pense nisso. Responda se quiser. Chore se precisar. Mas permita-se digerir essas frases “inocentes” que podem dizer muito sobre você.

Compartilhe com seus amigos. Pode ser que você traga a tão desejada resposta para alguma situação ou momento dessa pessoa.

Novas perguntas para mindset

Às vezes o que a gente mais precisa é um sinal do Universo para reavaliar a vida. E esse toque pode surgir delicadamente, quase que imperceptível, por isso é essencial estar atento ao que acontece ao seu redor. As respostas que buscamos poderão estar nas entrelinhas, e não escancaradas, a olho nu. Seguindo o post … Continue lendo “Novas perguntas para mindset”

Às vezes o que a gente mais precisa é um sinal do Universo para reavaliar a vida. E esse toque pode surgir delicadamente, quase que imperceptível, por isso é essencial estar atento ao que acontece ao seu redor.

As respostas que buscamos poderão estar nas entrelinhas, e não escancaradas, a olho nu. Seguindo o post anterior, e para instigar você a mais revelações internas, destaco mais 10 das 50 frases do “50 Questions That Will Free Your Mind”, de Marc and Angel Hack Life.

  1. Você está almoçando com três pessoas que respeita e admira. Todos começam a criticar um amigo íntimo seu não sabendo que é seu amigo. A crítica é de mau gosto e injustificada. O que você faz?
  2. Se você pudesse oferecer a um recém-nascido só um conselho, qual seria
  3. Será que você quebraria a lei para salvar uma pessoa amada?
  4. Você já viu insanidade onde depois viu criatividade?
  5. Pense em algo que você sabe e que você faria diferente da maioria das pessoas?
  6. Como podem as coisas que fazem você feliz não fazerem todos felizes?
  7. Qual a coisa que você não fez e que você realmente quer fazer? O que está prendendo você?
  8. Você está se apegando a algo que precisa deixar de ir?
  9. Se você tivesse que se mudar para um estado ou país além do que você vive no momento, para onde você iria e por quê?
  10. Você aperta o botão do elevador mais de uma vez? Você realmente acredita que isso fará o elevador chegar mais rápido?

    Ufa!!! Quantas vezes aqui você pensou em algo e quis poder responder de outra maneira? Você pode! Essas perguntas são feitas para você refletir e rever sua consciência, julgamentos, autocontrole… para se conhecer!

Convido você para, em breve, ter um novo momento de intimidade com sua verdade e a se aproximar cada vez mais da sua essência.

10 Perguntas para Libertar sua Mente

Durante algumas pesquisas pela internet, descobri uma lista de perguntas que tem feito com que eu reavaliasse muitas questões particulares. E, essas perguntas não tem, necessariamente, respostas certas ou erradas. São até, em muitos momentos, aquela resposta que estamos esperando ouvir para tomar uma decisão ou agir de forma mais consciente e de acordo com … Continue lendo “10 Perguntas para Libertar sua Mente”

Durante algumas pesquisas pela internet, descobri uma lista de perguntas que tem feito com que eu reavaliasse muitas questões particulares. E, essas perguntas não tem, necessariamente, respostas certas ou erradas. São até, em muitos momentos, aquela resposta que estamos esperando ouvir para tomar uma decisão ou agir de forma mais consciente e de acordo com nossa essência.

Compartilho com vocês, para que sofram o mesmo impacto que tenho vivenciado, esses pequenos questionamentos.

Será uma série com 10 perguntas. Sugiro que pegue um caderno e anote-as, respondendo às que desejar.

1. Quantos anos você teria se você não soubesse quantos anos você tem?
2. O que é pior, falhar ou nunca tentar?
3. Se a vida é tão curta, por que fazemos tantas coisas que não gostamos e gostamos de tantas coisas que não fazemos?
4. Quando tudo já está dito e feito, será que você disse mais do que fez?
5. Qual é a coisa que você mais gostaria de fazer para mudar o mundo?
6. Se a felicidade fosse a moeda nacional, que tipo de trabalho o tornaria rico?
7. Você está fazendo o que você acredita, ou você se contenta com o que está fazendo?
8. Se a expectativa de vida humana média fosse de 40 anos, você viveria sua vida de forma diferente?
9. Até que ponto você realmente controlou o curso da sua vida?
10. Você está mais preocupado em fazer as coisas direito ou está fazendo
as coisas certas?
Se essas “singelas frases” mexeram com você e te fizeram refletir, acompanhe o blog que iremos compartilhar mais perguntas do “50 Questions That Will Free Your Mind”.
Alimente sua mente
Alimente sua mente

 

Via Marc and Angel Hack Life
Traduzido e adaptado por Josie Conti
Do original “50 Questions That Will Free Your Mind”.

A decisão de fazer um Sabático

Decidimos realizar esse período sabático em 2017, pois o Benício vai sair da escola (1º ano) final de 2016, e teria que trocar de escola. Pensei em aproveitar essa transição para desengavetar meu sonho, até porque ele ainda é “pequeno” e pode “ganhar” um ano com essas aventuras, ou seja, não vai chegar a perder … Continue lendo “A decisão de fazer um Sabático”

Decidimos realizar esse período sabático em 2017, pois o Benício vai sair da escola (1º ano) final de 2016, e teria que trocar de escola. Pensei em aproveitar essa transição para desengavetar meu sonho, até porque ele ainda é “pequeno” e pode “ganhar” um ano com essas aventuras, ou seja, não vai chegar a perder conteúdos e matéria que sejam um bicho de sete cabeças!

A ideia inicial era comprar material e fazer um homeschooling para a 2ª série, mas como a vida está em constante mudança e adaptação, estamos planejando fixar residência em algum país – possivelmente a Suíça – para ele estar presente na escola.

Já havia estudado sobre as possibilidades de ele retornar e prestar uma prova de avaliação que permite reclassificação de classe no Brasil, caso os estudos fossem entre eu, ele e o Mundo, então de todas as formas, seria possível. É possível!

Quando falei para o Benício da ideia do período sabático, eu queria saber qual sua visão sobre isso – e até entendimento – pois ele será o meu grande pequeno parceiro nessa jornada. E ele adorou!

Conversamos bastante e agora já faz planos comigo, escolhe os destinos que deseja ir, pergunta se cidade X é perto da cidade Y, comprou um mapa mundi ilustrado super bacana e fica mencionando roteiros possível.

Ele disse que quer muito ir para o Egito “comprar um camelo” – animalzinho de estimação peculiar esse. Pergunta como é lá, quer ver fotos na internet. Já está viajando na ideia e fala para todo mundo que vai viajar pelo Mundo.

De vez em quando vem a mãe de algum amiguinho contando as conversas engraçadas que o seu filho falou sobre as histórias do Benício. E ele fala com tanto orgulho, que dá mais alegria em saber que estamos no momento certo!

Viagens do Ben na Legoland de Orlando, EUA.
Viagens do Ben na Legoland de Orlando, EUA.

Em busca de propósito!

Olá pessoal! Sempre amei viajar: já me aventurei de mochilão por 5 meses na Europa, fiz intercâmbio no Canadá e fiz uma road trip na Califórnia, entre outras idas e vindas. Antes de descobrir que estava grávida, eu estava decidida a largar tudo e ir morar fora. Pois bem: tive que adiar os planos por uma nobre … Continue lendo “Em busca de propósito!”

Olá pessoal!

Sempre amei viajar: já me aventurei de mochilão por 5 meses na Europa, fiz intercâmbio no Canadá e fiz uma road trip na Califórnia, entre outras idas e vindas. Antes de descobrir que estava grávida, eu estava decidida a largar tudo e ir morar fora. Pois bem: tive que adiar os planos por uma nobre e deliciosa causa – viver a maior aventura das nossas vidas: a maternidade.

Engraçado que, ao escolher um nome para meu filho, eu só pensava em uma tradução pro apelido, de forma que fosse fácil de pronunciar “all around the World”. Não demorou muito para eu chamá-lo de Ben. Mas tinha receio de que no Brasil o nome seria meio estranho, então complementei e batizei-o de Benício. Meu Ben!

Enquanto o tempo passava e ele crescia na minha barriga, eu só pensava em uma coisa: quando ele fosse grande, eu iria levá-lo para experimentar a vida em outros endereços, resgatar meus desejos mais genuínos de explorar novas culturas e países. O sonho apenas ficaria adormecido.

Aos quase 7 meses de gestação, Benício viajou (na barriga) para a Suíça
Aos 6 meses de gestação, Benício viajou (na barriga) para a Suíça.

Durante a gestação do Ben, eu tive a ideia de pedir aos meus amigos nos 4 cantos do Mundo, a fazer uma fotografia em um lugar especial, segurando uma folha de papel com o nome do Benício escrito, ou escrever de alguma forma criativa. Eu me imaginava visitando todos esses lugares com ele, quando grandinho. Recebi fotos de vários destinos. Ou seja, a paixão por viajar, em nome do Benício, já passou por locais maravilhosos.

O projeto Viagens do Ben passou por Berlim
O projeto Viagens do Ben passou por Berlim

Agora, sete anos depois, está chegando a hora de realizar esse sonho, de resgatar minha essência e viver tudo que eu sempre quis, junto a ele, que é uma criança curiosa e com sede de desbravar o desconhecido!

Então, é hora de tirar o sonho do status “stand by” e colocar no papel bem detalhadamente, para transformá-lo em uma agradável aventura para 2017 em diante.

Compartilharemos aqui o planejamento, dúvidas, pesquisas, ideias, projetos derivados dessa jornada, mudanças de planos (ou adaptações para planos B, C e D) e experiências vividas!

Serão dois pontos de vista: Mamãe falando para mulheres, solteiras ou não, que queiram percorrer o Mundo (perto ou longe!) com os pequenos, e a visão do Benício, sobre suas vivências, expectativas e ponto de vista.

Iremos reproduzir as fotos que recebemos com nome, estando o Benício no local, e de alguma forma homenageando quem fez aquela imagem, anos atrás! Seja com histórias, nome, recordação… será emocionante!

Vamos juntos curtir as Viagens do Ben, around the World?

Você é o nosso convidado especial!